26/05/2022
  • 06:18 Homem morre em hospital após receber balaços em beco no tranquilo bairro da Compensa
  • 05:36 Homem é assassinado a facadas e corpo é jogado em Igarapé na Zona Centro-Sul de Manaus
  • 05:27 Ruivinha de Marte é comparada à campeã do jogo League of Legends e entra na onda
  • 05:26 Anitta é substituída por Ludmilla na festa Garota VIP e fãs reclamam da Fábrica de Eventos
  • 05:24 Um dia após se entregar para não ser executado, “Feroz” afirma que não matou PM em Manaus

Um casal de passageiros conseguiu embarcar com seu cachorro da raça buldogue francês em um voo nacional no trecho Manaus – Campo Grande da companhia aérea Gol, nesta quinta-feira (10) após uma confusão no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, envolvendo o embarque do cachorrinho, que já tinha sido autorizada previamente pela Justiça.

A tutora do animal tinha autorização judicial expedida pela juíza, Cláudia Monteiro Pereira Batista de Direito da 13º Vara do Juizado Especial Cível da Comarca de Manaus, para embarcar na cabine com o animal, mas ao fazer o check-in eles foram barrados pelos funcionários da companhia.

A decisão se deu no âmbito de ação ajuizada pelo advogado Klinger Feitosa, que esteve no aeroporto para acompanhar sua cliente. De acordo com o advogado do casal, o animal só entrou no avião após a chegada da polícia. “Eu tive que acionar a polícia, pois os supervisores da empresa não queriam deixar o cão viajar, desrespeitando uma ordem judicial”, explicou Klinger Feitosa.

O advogado afirma que o descumprimento de ordem judicial se trata de grave ofensa à estrutura judiciária, podendo ser classificado como crime. Ainda segundo Feitosa, no momento da abordagem a supervisora da companhia identificada como Cleiriane Silva chegou a ofendê-lo durante o exercício da sua profissão, o chamando de “advogadozinho” alegando que ele não tinha conhecimento do procedimento a ser seguido pela empresa, mesmo tendo uma ordem da justiça autorizando a viagem do animal na cabine.

De acordo com a decisão da justiça, a tutora deveria viajar com seu cão na cabine. O descumprimento da ordem judicial sob pena de multa diária de R$ 1.000,00 (hum mil reais), limitada a 10 (dez) dias-multa, a ser revertida em favor da parte autora.

Após a intervenção do advogado junto com a polícia no aeroporto os passageiros conseguiram embarcar com seu animal.

O advogado e militante na causa animal, Klinger Feitosa é conhecido pelo seu trabalho desempenhado em processos judiciais no Amazonas. Mais dúvidas você pode entrar em contato com o Advogado pelo e-mail: adv.klingerfeitosa@gmail.com ou pode segui-lo no Instagram: @adv.klingerfeitosa

lucas

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

error: Content is protected !!